top of page
Buscar

Dia da Mulher: Ángeles Pérez, a mulher que há mais de 40 anos acolhe presos em casas

Hoje tem 81 anos e desde sempre confia em segundas oportunidades. Fundou uma associação em Madrid para acolher pessoas da prisão.



Nas redes sociais costuma-se ler que nem todos os heróis (ou heroínas) usam capas. Neste Dia da Mulher, vamos contar a história de Ángeles Pérez que, provavelmente, não se vê como uma heroína, mas todos aqueles homens e mulheres a quem ela deu uma mão quando saíram da prisão, têm algo a dizer sobre isso. A publicação é de autoria de Lucía Martín, colaboradora do site Idealista News.


Veem-na não como uma segunda mãe, mas como a sua mãe, talvez a única que cuidou deles depois da prisão. "Ela é a mãe de todos, pelo carinho que transmite, dá-te confiança quando a perdes. São muitas coisas. Ela é uma mulher que ganhou o céu”, diz José Antônio Tomás, que esteve seis anos e meio na prisão, e que agora trabalha como jardineiro na Apromar. Este ex-prisioneiro é um deles, um dos mais de mil presos a quem esta associação de Madrid já deu uma segunda oportunidade.


A Apromar é o outro “filho” de Ángeles Pérez, é a sigla para Associação para a Recuperação dos Marginalizados. O lema desta associação espanhola é "E depois da prisão, o quê?", porque quando se sai da prisão, o que se costuma encontrar é um terreno baldio e zero oportunidades. Nada porque o trabalho de reintegração da prisão parece ter caído no esquecimento.


É por isso que Pérez, que tem hoje 81 anos e uma rede de apartamentos em que acolhe presos que são libertados em 2º grau e em liberdade condicional, começou a fazer voluntariado no ambiente prisional há 40 anos.


“Comecei num reformatório juvenil que ficava ao lado da prisão de Carabanchel. Eu fui com o padre porque não se poderia fazer isso sozinho, a menos que a pessoa tivesse uma associação. Por isso criei a associação, porque queria entrar e trabalhar com eles. Quando eu comecei, eles eram muito jovens, 17, 18 anos... drogados, porque foi o ano que as drogas realmente explodiram. Isso foi um verdadeiro desastre. E então eu queria envolver-me e ver o que eu poderia fazer. Apresentei um projeto e eles aprovaram. E depois comecei como associação”, explica no bairro de Entrevías, na capital espanhola, num dos apartamentos arrendados. Neste bloco há duas casas. Cada uma tem cerca de 100 metros quadrados (m2), três quartos e um pequeno terraço. Cerca de 6/7 pessoas geralmente vivem em cada andar.



Dia da Mulher

Pérez recebeu o idealista/news numa tarde de sexta-feira porque de manhã está de visita às prisões, e conhece-as todas. “Acho que a pessoa que está na cadeia é a mais infeliz de todas. Porque perde a liberdade, que é a melhor coisa que temos, e ao perder a liberdade, tudo se perde. E então estar na cadeia é muito difícil e quando eles saem, cuidado. Hoje recebemos um rapaz que está preso há 27 anos, é sua primeira autorização. E quando eles saem, tudo os choca, as cores das ruas... tudo, tudo. Se quando sais no verão por um mês e voltas para casa, o teto parece mais alto ou mais baixo, imagina anos de cadeia”, explica. E acrescenta sem sombra de dúvida: “Sais da prisão pior do que entras”.



Seis apartamentos, um armazém e 3 carros

A Apromar conta atualmente com 50 associados e seis apartamentos arrendados, um armazém e três carros para ir e vir das prisões. Começaram com um pequeno apartamento perto de Gregorio Marañón: “Era um apartamento minúsculo, só tinha um quarto, mas para começar a tirá-los… não tinha ninguém para me ajudar, nem sabia o que fazer. Aos poucos fui descobrindo e arranjei outro apartamento”, conta.

O primeiro menino que entrou naquele primeiro andar foi um colombiano de 18 anos que agora está a trabalhar em Nova Iorque e que, como muitos outros, continua a ligar-lhe no aniversário.


Dia Internacional da Mulher

Quando começaram a tentar arranjar apartamentos, ninguém os arrendava, porque quem vai querer dar uma casa para ex-criminosos? Então arrendavam em nome do marido dela e diziam que os rapazes vinham da paróquia, que eram meninos sem família, sempre evitando a palavra “presos”. Mas havia cada vez mais e era preciso encontrar uma alternativa de habitação e a resposta chegou do autarca Alberto Ruíz-Gallardón, que facilitou o arrendamento de casas. Por casa uma delas paga 125 euros por mês.


Estas são as regras

Em cada um deles há regras: “Quando vou vê-los à prisão eles dizem que sim a tudo, claro que aceitam qualquer regra, mas espero que saiam cá para fora. Eles têm que levantar-se a uma hora, às 8h00 ou 8h30. Tomam banho, fazem a cama e arrumam o quarto. Depois podem sair, mas têm de vir comer. E depois têm de vir jantar à sua hora e dormir em casa. Antes da pandemia, eu dava uma noite de folga a todos”, relata. Também há controlos aleatórios para verificar se há uso de drogas, por exemplo. A comida é preparada e distribuída por todas as casas, com a ajuda do Banco Alimentar.



Mulheres

Na associação sempre tiveram um psicólogo, um criminologista... porque as pessoas que saem da prisão saem muito mal. "Eles precisam de muito tratamento, muita atenção, que eles tenham conhecimento deles, percebam que têm que mudar o seu estilo de vida", afirma. A associação tem um orçamento de 150.000 euros por ano e alimenta-se de donativos, uns de anônimos e outros de empresários. “Os rapazes (há mais homens do que mulheres) nunca pagam nada. Seja um ano, seja dois ou estejam a trabalhar, não estejam a trabalhar, nunca pagam nada. Então eu digo-lhes que quando começam a trabalhar têm de poupar”, diz. “Em 2021, 16 rapazes tornaram-se independentes com o trabalho”, esclarece Pérez.



Prisões

Ángeles Pérez não se importa com o crime que cometeram. “Sempre atendi a quem me chamou, não me importo com o que fizeram porque... o que é que eu faço? Todos precisam de ajuda."


Comments


ÚLTIMAS NOTÍCIAS!

anuncio marsusi.jpeg

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

bottom of page